A Polícia Federal no Maranhão, em conjunto com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), Fundação Nacional dos Povos Indígenas (FUNAI), Batalhão Ambiental e brigadistas do ICMBio, deflagrou a 2ª fase da Operação ARARIBÓIA LIVRE. O objetivo da ação é reprimir o comércio irregular de madeira extraída da Terra Indígena Araribóia, situada no sudoeste do Estado do Maranhão.

A operação, que ocorre no município de Buriticupu-MA, mobiliza mais de 100 agentes públicos. Até o momento, foram fiscalizados 32 empreendimentos madeireiros, resultando na destruição de 74 motores. Além disso, 11 pessoas foram conduzidas por possuir madeira sem comprovação de origem e por não possuir licença para o funcionamento do estabelecimento. Três indivíduos foram presos em flagrante.

O trabalho da Polícia Federal conta com o apoio do Programa Brasil M.A.I.S, ferramenta adquirida pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública que possibilita o recebimento de imagens de alta definição.

Os investigados responderão, na medida de suas responsabilidades, por crimes como receptação qualificada (art. 180, §1° do CPB) e ter em depósito produto de origem vegetal sem licença válida (art. 46, parágrafo único, da Lei 9.605/98), entre outros. A operação representa uma continuidade nas medidas adotadas em 2023 para frear e reprimir os ilícitos ambientais na Terra Indígena.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *