O jornalista Diego Escosteguy, do site O Bastidor, de Brasília, informou, nesta segunda-feira, 27, que o presidente Lula confirmou a aliados, dentro e fora do Supremo e da Procuradoria-Geral da República, que indicará Flávio Dino à vaga de Rosa Weber e Paulo Gonet à chefia da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Segundo Escosteguy, caso Lula confirme o que assegurou a pessoas próximas nos últimos dias, ambos deverão os novos cargos, em larga medida, ao apoio do ministro Gilmar Mendes. O decano foi incansável no trabalho político a favor dos dois – e contra os concorrentes deles.

Independentemente de ser Dino ou Gonet, o anúncio deve ser feito até o meio-dia de hoje, segundo apurou O INFORMANTE junto a uma fonte ligada ao ministro da Justiça e Segurança Publica.

O editor de O Bastidor disse, ainda, que “o poder que Gilmar acumula, de maneira inédita na história de uma Suprema Corte que não para de fazer história, não se explica somente pela astúcia do ministro. É o encontro da inteligência estratégica de um ministro que sabe fazer política de Judiciário como ninguém com um presidente que precisou ir à cadeia para aprender o valor de peças das quais antes abdicava por pudores institucionais. Em comum, o pragmatismo dos interesses próprios e a repulsa atávica a qualquer pessoa ou princípio associado a Lava Jato – um nome fantasia que, há anos, virou espantalho útil para qualquer coisa que se queira fazer ou deixar de se fazer em Brasília”.
E acrescentou:

“Desde que se lançou candidato, Lula demonstrou que agiria de modo puramente político, orientado por um realismo fincado na Praça dos Três Poderes, ao melhor estilo de seu confidente José Sarney – agiria, enfim, como um bom quadro do PMDB pós-redemocratização, e não do antigo MDB”.

“Daí a aliança com o ex-tucano Geraldo Alckmin. Daí a aproximação com ministros das cortes superiores e com Arthur Lira. Daí a indicação de seu advogado pessoal Cristiano Zanin. Daí o desinteresse manifesto de contemplar uma mulher no Supremo e a lista tríplice na PGR. E daí, não menos relevante, a disposição em negligenciar o PT, partido que o elegeu mas leva perdido em todas as indicações estratégicas de seu terceiro governo”.

Por fim, disse Escosteguy, “entre Gilmar e o PT, Lula sempre optará por Gilmar. (O PT apoiava Jorge Messias para a vaga de Rosa Weber e nomes variados, como Antonio Carlos Bigonha, para o lugar de Augusto Aras.) Gilmar optará por Lula enquanto lhe for conveniente. O poder de Lula pode encerrar-se numa eleição. O poder de Gilmar, que ainda tem oito anos como ministro do Supremo, encerra-se em momento incerto, ao talante dele e do destino – e não de eleitores”.

3 thoughts on “Lula escolhe Flávio Dino para STF e Gonet para PGR, diz Diego Escosteguy

  1. Esse cidadão sempre esteve nas entranhas dos governos, por isso, não é de se estranhar uma atitude tão repugnante e que demonstra toda a sua subserviência.
    Os brasileiros de bem, esperam que a maioria dos senadores reprovem essa indicação.
    Basta de arrogância e de autoritarismo!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *